Facebook compra WhatsApp por US$ 19 bilhões

O Facebook acertou a compra do WhatsApp por nada menos que US$ 19 bilhões. É isso mesmo, o popular app de mensagens – concorrente direto do Facebook Messenger – agora pertence a Zuckerberg e seus amigos. Tudo de surpresa, sem ninguém sequer imaginar que as negociações estavam em andamento.

O valor é altíssimo – 16 vezes mais do que o Instagram, mais do que cinco vezes o que o Facebook ofereceu recentemente pelo Snapchat – e será dividido entre dinheiro e ações. Serão US$ 4 bilhões em dinheiro e US$ 12 bilhões em ações. Os fundadores e funcionários do WhatsApp ainda receberão US$3 bilhões em ações restritas ao longo dos próximos quatro anos. Ou seja, ao todo, são US$ 19 bilhões.

Pelo Facebook, Mark Zuckerberg comemorou a aquisição, e garantiu que o WhatsApp não sofrerá interferência direta da sua equipe:

“O WhatsApp continuará operando independentemente dentro do Facebook. O roadmap de produtos permanecerá sem modificações e a equipe ficará em Mountain View. Nos próximos anos, trabalharemos duro para ajudar o WhatsApp a crescer e conectar o mundo inteiro.”

Zuckerberg também garantiu que o seu Messenger e o WhatsApp continuarão funcionando independentemente. Não é muito diferente do que foi dito na aquisição do Instagram – e não podemos dizer que o Instagram mudou radicalmente desde então, isso definitivamente não aconteceu.

O WhatsApp é um dos mais populares apps de troca de mensagens entre smartphones do mundo, com cerca de 450 milhões de usuários mensais ativos, feito exaltado pelo Facebook no anúncio da compra. “O WhatsApp está a caminho de conectar 1 bilhão de pessoas”, disse Zuckerberg. O serviço de mensagens ganha, a cada dia, 1 milhão de novos usuários, e o volume de mensagens trocadas por ele já se aproxima o volume global de SMS, diz o anúncio.

Anúncios no WhatsApp?

O maior temor dos seus usuários, no momento, talvez seja a inclusão de publicidade no meio das suas mensagens. O Instagram prepara-se para exibir anúncios, então podemos acreditar que o mesmo ocorrerá dentro do WhatsApp, certo?

Em junho de 2012, muito antes de sonharem com uma proposta desse tamanho por parte do Facebook, os criadores do WhatsApp publicaram no blog do serviço um longo texto explicando o porque não exibiriam anúncios e preferiam cobrar uma pequena assinatura dos seus usuários. Uma frase resume bem o que eles pensavam na época:

Lembre-se, quando publicidade está envolvida, você, o usuário é, o produto.

É uma visão completamente diferente do que o Facebook tem. Para Zuckerberg, bem, você é o produto mesmo, e ele vai vender anúncios para manter os serviços gratuitos. Sob novo comando, é possível que isso mude dentro do WhatsApp também. Mas ainda é um pouco cedo para dizer algo com alguma certeza – o Instagram foi comprado em abril de 2012 e ainda não começou a exibir anúncios.

Vamos ter que esperar para ver. No momento, o que é fato é que o Facebook cresceu e muito na briga pelas mensagens móveis – ele é dono de dois dos grandes nomes do mercado.

 

Fonte: http://gizmodo.uol.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll to Top